Arquivo mensal: março 2013

Conselho Participativo de Cidadania dos Brasileiros Residentes no Reino Unido

Convidamos a comunidade brasileira para participar do processo democrático da construção do Conselho Participativo de Cidadania.

Para que você, cidadão brasileiro, entenda os seus direitos e deveres e tenha voz nas decisões relativas as politicas públicas para os imigrantes. Vamos trabalhar em prol da nossa comunidade!

Reunião da comissão organizadora e interessados no Conselho Participativo de Cidadania.

Dia 12 de Abril, às 19h, no Consulado-Geral do Brasil em Londres, próximo a Bond Street Station.

 

Seminário – Assembleia Geral de Formação do Conselho

Dia 28 de Abril, às 10h, no Consulado-Geral do Brasil em Londres, próximo a Bond Street Station.

 

Para mais informações e registro de interesse de participação do Seminário: crbeconselhodecidadanialondres@googlegroups.com / conselhocidadania@gmail.com/

Language Futures Conference

The Language Futures Conference is  taking place at Gladesmore Community School on Friday 3rd May.
The event is part of the Language Futures initiative supported by the Paul Hamlyn Foundation and should interest anyone interested in innovative approaches to Languages teaching and generating greater learner engagement in particular through:
  • increased learner autonomy
  • use of technology for more individualised/personalised learning
  • crossing borders between school, home and community based learning
The event is free, but you need to book.
For further information and flyer here

Bilinguismo: os pais dão o tom

por Malu Mancinelli

Há algumas semanas, encontrei um artigo muito interessante sobre bilinguismo num blog dedicado à linguagem. O blog, nomeado Johnson, é parte da revista “The Economist”.

O artigo apresenta as descobertas científicas da Dra Janet Werker,  da  University of British Columbia.  Há dois anos, ela apresentou os resultados de uma pesquisa que mostrou que bebês expostos a dois idiomas durante a gravidez podiam discernir esses idiomas após o nascimento.

Em 2013, ela apresentou suas últimas descobertas, observando como bebês de 7 meses de idade conseguiam distinguir diferentes idiomas antes de ter qualquer pista sobre gramática. Ela e sua colega, Judit Gervain, explicaram que os bebês  distinguem a prosódia (a entonação característica de uma língua), ou pistas relativas ao tom e duração das palavras em uma fala. A prosódia, por sua vez, seria um passo em direção à aquisição da gramática.

A ordem altera os resultados

A ordem básica das palavras de um idioma é definido pela ordem do verbo (V) e seu objeto (O). Em idiomas VO como inglês, português e francês, as palavras funcionais – como preposições, artigos e pronomes –aparecem antes dos substantivos, e são marcas típicas de início de frase. Em idiomas OV, como o japonês, elas vêm depois, marcando o final da frase. Essas palavras funcionais são mais frequentes que substantivos ou verbos, e podem ajudar as crianças a identificar componentes sintáticos numa fala, e assim adquirir as regras gramaticais da língua.

Os bebês foram expostos a dois idiomas inventados, que forjavam a prosódia de um idioma VO e de um idioma OV, e foi constatado que os bebês habituados a uma prosódia OV se interessavam mais pelas frases de estrutura OV, e as crianças habituadas às ordem VO manifestavam mais interesse pelas estruturas VO. As crianças expostas a idiomas VO e OV durante a gravidez demostraram interesse nas duas prosódias.

Cada idioma em seu lugar

O estudo sugereque as crianças usam o tom e a duração das palavras para reconhecer a estrutura dos idiomas. Em outras palavras, a gramática é quem determina a prosódia.

A criança reconhece as diferentes prosódias, e assim diferentes estruturas linguisticas já aos 7 meses, corroborando as perquisas atuais sobre bilinguismo: os pais nãoprecisam temer expor os filhos a dois ou mais idiomas desdeo nascimento (ou seria melhor dizer, desde a concepção?), já que estes não ficarão confusos devido à exposição a diferentes idiomas.

João, meu filho que hoje tem 3 anos e 7 meses, é muito atento a essa diferença de idiomas. Ele fala português em casa e francês na escola, mas recentemente tem ouvido bastante inglês devido a férias e uma vizinha com quem falo em inglês. Hoje ele me pergunta o nome de um determinado objeto nos três idiomas, e repete com cuidado e atenção cada palavra. Na lista dos porquês tão comuns aos 3 anos de idade, tenho que responder a  “por que na escolinha fala francês”, ou  “por que a vizinha só fala inglês?”

O fato dele reconhecer tal ou qual idioma me deixa feliz, embora eu saiba que sua compreensão em inglês se limita a palavras. “O que ele está dizendo?” e “por que ele riu, mamâe?” são frases comuns e que mostram que a mensagem não foi compreendida. No entanto, ele reconhece a prosódia, e isso vai facilitar a aprendizado formal do inglês quando chegar o momento. Os pais sempre querem que seus filhos tenham tudo, e abrir as portas para que seu filho seja bi ou trilingue é um dos maiores presentes que podemos dar.

Artigo baseado no post de 20 de fevereiro do Blog Johnson, da revista The Economist online, e no livro A parents’ and teachers’ guide to bilingualism, de Colin Baker.

Conheça o QuaREPE

Quadro de Referência para o Ensino Português no Estrangeiro desenvolvido pelo Governo de Portugal

A Abrir  tomou conhecimento do QuaRePe através de seus contatos com a comunidade portuguesa em Londres e achou que seria interessante compartilhar  seus detalhes com vocês. Esperamos que achem as orientações úteis para o desenvolvimento de seus programas de aula.

Objetivos do QuaREPE

O QuaREPE tem três objetivos principais:

  • desenvolver competências gerais em língua portuguesa;
  • contribuir para a promoção da cidadania democrática;
  • permitir a reflexão sobre práticas pedagógicas e educativas que desenvolvam a identidade plurilingue e pluricultural dos alunos que vivem em países cuja língua official não é o português .

Documentos que constituem o QuaREPE

O QuaREPE é constituído por dois documentos que  podem ser baixados  do link http://www.dgidc.min-edu.pt/index.php?s=directorio&pid=67:

  • Documento Orientador;
  • Tarefas, atividades, exercícios e recursos para avaliação.

Ao lerem esses documentos verão algumas semelhanças com as orientações prestadas pela Abrir, tais como:

  • Fazer conexões entre os currículos escolares adotados pelo sistema educacional brasileiro – os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs) , e pelo sistema educacional inglês – the National Curriculum;
  • Usar Geografia e História como matérias que orientem na escolha de temas que gerem conhecimento tanto sobre o Brasil   quanto sobre o Reino Unido;
  • Desenvolver a consciência intercultural dos alunos.

Entrem em contato através do email info@abrir.org.uk, caso queiram apoio para o desenvolvimento de currículos específicos para a sua escola.

Links úteis

.