Arquivo mensal: abril 2013

EVENTS

 Harvill Secker Young Translators’ Prize is open for entry.

 

The prize recognises the achievements of young translators at the start of their careers, and for 2013 our language is (Brazilian) Portuguese. Entrants will translate the short story ‘O sucesso’ by Brazilian author Adriana Lisboa.

The prize is open to anyone between the ages of 18 and 34, with no restriction on country of residence, and the deadline for entries is 2nd August 2013.

Dr Rafael Cardoso’s (UERJ) seminar programme at The Courtauld Institute of Arts, as Research Forum Visiting Curator
Tuesday, 30 April, 5.30 pm – lecture: The ‘Problem’ of Race in Brazilian Painting.
Thursday, 2 May 2013, 4pm – seminar ‘From the Margin to the Edge’: the Making of an Exhibition of Contemporary Brazilian Art.
These and many other events, including open seminars at King’s Brazil Institute, can be viewed at the Embassy of Brazil’s website  and/or the Cultural Section’s website.

Trilinguismo: uma boa surpresa

por Malu Mancinelli

Será que todos se lembram da trajetória linguística de suas vidas?

malu+kids

Ao menos da vida de seus filhos? Pois bem, eu que sou linguista primeiro e mãe muito tempo depois, anoto cada bobagem e cada progresso linguístico do João – hoje com 3 anos e 8 meses, e um repertório interminável de perguntas e histórias que sempre terminam com uma nave espacial que explode alguma coisa.

O João nasceu em Londres, e mudou-se para uma cidade francófona na Suíça aos 8 meses de idade. Trouxemos na bagagem dele o ouvido acostumado ao inglês e muitos livros e brinquedos que “falavam” inglês. Para completar a bagunça, decidimos que a televisão em casa “falaria” inglês. Tudo funcionou bem até que o rapaz descobriu que existia a opção de assistir a alguns DVDs em português, e se existe a opção, ele sempre prefere português.

Essa tentativa de preservar o inglês na vida do nosso filho era realmente uma experiência, e não tínhamos idéia se funcionaria ou não. Pois bem, está funcionando!

Proficiência e oportunidade

Há alguns meses, mudou-se para o apartamento em frente um casal que fala inglês. Casal de avós longe dos filhos e netos. Adotamo-nos. Nas primeiras conversas, o João mostrou-se muito interessado em saber que língua estávamos falando, perguntou isso muitas vezes, até que se convenceu de que o idioma era realmente inglês. Hoje ele diz que “inglês é a língua que a Asieh (a vizinha) fala”.

Eu sabia que meu filho tinha um certo vocabulário em inglês: cores, formas, animais, números até dez, meios de transporte, mas não imaginava que ele pudesse se comunicar no idioma. Há algumas semanas, no final de uma conversa amigável no corredor, o João pediu pra ir brincar um pouco na casa da vizinha, que muito feliz logo o chamou pra entrar. A grande surpresa veio na “devolução” do João, quando ela me contou que ele queria ir na varanda para ver o cachorro da vizinha, e que havia passado todo o tempo perguntando “what is this?”

Depois desse dia, o inglês passou a ser uma língua ativa na vida do João, que sempre consegue trocar algumas palavras com a vizinha, e até frases simples ele consegue construir. “Look the car”, “I want my mommy”, “come my house”, “play with me” e, no dia da festinha de aniversário do irmão, ele tocou a campainha e disse “come and see the cake!”. Eu fiquei boquiaberta! Ele apenas precisava de um motivo para falar um idioma que vinha se construindo de maneira passiva em seu cérebro!

Para cada situação, um idioma adequado

Assim como já acontecia com o francês, o João se recusa a falar inglês conosco. Francês é a língua que se fala na escolinha, e inglês é a língua que se fala com os vizinhos. Em casa, todas as conversas são em português.

Em português, o João está na fase dos porquês, tentando entender o funcionamento do mundo. O vocabulário todo já foi dominado, e ele esta ensaiando construções linguísticas audaciosas, até com verbos no modo subjuntivo. Em francês e em inglês, notamos que ele ainda está na fase “o que é isso?”, nomeando o mundo e suas partes, e com o uso de construções simples. A comunicação, entretanto, é garantida.

Colhendo os frutos da persistência

Às vezes, dá preguiça manter a organização linguística que determinamos num devaneio otimista e descansado. A pressão da rotina, a falta de tempo, parece que sobreviver aos dias que seguem já é difícil demais sem ter que se preocupar com “quem fala qual idioma”. Mas precisamos tomar alguns cuidados diários como cada pai escolher um idioma para se comunicar com o filho, e se manter fiel ao uso daquele idioma apenas; ou escolher um momento do dia para ler um livro ou fazer qualquer outra atividade em um idioma diferente.

Escolher uma estratégia (ver edições anteriores do Blog-tim) e se manter fiel à mesma traz resultados. Estes podem demorar a aparecer, mas é apenas com a persistência da família que uma criança se desenvolve linguisticamente de modo adequado. Não podemos desistir apenas porque a criança se recusa a falar determinado idioma, mesmo que a criança não fale naquele dado momento, as informações são guardadas no cérebro e, num momento de necessidade – ou de oportunidade – o idioma florescerá para garantir a socialização da criança.

 

I Encontro de Escritores da Baviera

ADOTE UM AUTORO evento “I Encontro de Escritores Brasileiros na Baviera”, previsto para acontecer nos dias 3 e 4 de maio de 2013 em Munique, está sendo organizado conjuntamente por Alexandra Magalhães Zeiner e seu grupo de trabalho (Evandro Raiz Ribeiro, Karina Orsini Martinelli e Sylvia Roesch), bem como pela DBKV e. V. (Associação Teuto Brasileira de Munique).

O encontro será a primeira oportunidade de implementação do projeto “Adote um(a) Autor(a)”.  A DBKV e.V. irá convidar seus associados a participarem ativamente do projeto. Desse modo, os autores terão a possibilidade de se hospedarem com associados da DBKV e.V., cobrindo assim as suas despesas de acomodação. Esta será uma oportunidade única para os autores-expositores, que de outra forma não poderiam participar do evento, e para as familias hospedeiras, que terão a chance de trocarem experiências com os autores.

Para mais detalhes sobre o evento e o projeto, veja anexo abaixo.

Informativo oficial ADOTE UM AUTOR e ENCONTRO(1)

SEGUNDA CONVOCAÇÃO DE VOLUNTÁRIOS DA ABRIR

Você está convidado a participar da Segunda Reunião para o Voluntariado Abrir    

Mais de dois anos depois da primeira convocação pública para sua equipe de voluntariado, a Abrir  tem suas portas abertas novamente. Desta vez, contamos com o apoio da Casa do Brasil em Londres.

No encontro, os interessados em fazer parte do Voluntariado Abrir poderão se familiarizar com as várias áreas de atuação da Associação e identificar aquela com a qual desejam contribuir. Envie um email para info@abrir.org, com assunto ‘Interessado em ser voluntário’, para participar deste encontro a ser realizado no

Casa do Brasil em Londres

Dia: Sábado 25 de maio de 2013

Horário: 13h – 15h

Local: Casa do Brasil em Londres, 21 Foley Street, W1W 6DR.

Uma ideia sobre as experiências proporcionadas pelo Voluntariado Abrir é ilustrada abaixo pelo testemunho de quatro dos nossos voluntários.

Kenya Silva (Diretora de Projetos):“Acho que meu trabalho na Associação me dá oportunidade de crescer muito dentro da minha área de atuação (educação). Sinto-me constantemente estimulada a refletir sobre a importância da língua e da cultura para as comunidades em diáspora, como fiz na minha participação do Focus-Brazil  em 2012, por exemplo. Além disso, tenho a oportunidade de conhecer pessoas e projetos muito interessantes. Fazer parte da Abrir é motivo de muito orgulho pra mim!”

Marcia Pacheco (Diretora de Comunicação): “Conheci a Abrir por acaso, mas imediatamente me encantei pela sua missão de ajudar adultos e crianças a se beneficiarem do bilinguismo, uma causa tão importante para as famílias brasileiras que moram no exterior. Ser responsável pela produção do Blog-tim Abrir tem sido uma ótima oportunidade de ficar por dentro das novidades do Brasil e manter contato com a Língua Portuguesa. Trabalhar com uma equipe capaz, profissional e divertida tem sido um prazer!”

Sylvia Roesch (Projeto Biblioteca): “Sou escritora de livros infantis e coordeno o Projeto Biblioteca, o qual tem o objetivo de doar obras infantis publicadas no Brasil para bibliotecas locais.  Como parte deste projeto, venho contando as histórias dos meus livros em bibliotecas, escolas inglesas  e escolinhas brasileiras. Com ajuda de outros voluntários desenvolvemos um novo modo de contar histórias em português e ingles, atraindo interesse e curiosidade de mais crianças. Ser voluntária da Abrir tem me proporcionado experiências privilegiadas!’

Wanderley Moreira (Projeto Brincando com Arte): Trabalhei por muitos anos com crianças e adolescentes em oficinas de arte e cultura no Brasil e sempre tive a intenção de fazer algo semelhante aqui na Inglaterra. A Abrir me deu a oportunidade de desenvolver o Projeto Brincando com Arte . O apoio  e a liberdade que tive para usar minhas habilidades e meu conhecimento me trouxeram muita alegria. Não vejo a hora de organizar as próximas oficinas!  Até me animei a criar um outro projeto: trabalhar o tema sexualidade com adolescentes. Espero compartilhar detalhes sobre este projeto em breve.

 Se você sempre quis fazer trabalho voluntário e nunca teve a oportunidade, essa pode ser sua chance. Seu tempo e dedicação serão muito bem-vindos e reconhecidos.

Se você não pode comparecer ao encontro, mas gostaria de participar da voluntariado da ABRIR, envie um email para info@abrir.org, com assunto ‘Interessado em ser voluntário’.

Equipe Abrir