Trilinguismo e o segundo filho

João e Francisco

João e Francisco

por Malu Mancinelli

Há uns dois anos, eu escrevi sobre a expectativa de criar o segundo filho em ambiente bilíngue (releia aqui) e, agora, os primeiros frutos dessa inquietação começam a ser colhidos.

Francisco tem hoje 21 meses, e um vocabulário que compreende 11 palavras, um som que eu quase reconheço como “bonjour” e um estoque considerável de onomatopeias! Estas compreendem uma boa gama de animais, temos os clássicos “au-au”, “miau”, “muuuu”, “mééééé”, “cocó”, “piu-piu”, “ronc-ronc” (o porco), “iiiiiiiiiihhhh” (o cavalo), “u-u-a-a” (macaco),”sssssssss” (cobra),  “roarhhhh” (leão, urso, tigre e outro ferozes ou dentuços) além do nosso preferido “rubber”, uma imitação de sapo com direito a um pulinho!abrir jan bilinguismo_joaoabrir jan bilinguismo_au au

As palavras, em ordem de aparição (e eu imagino, de importância na vidinha dele) são “João”, o nome do irmão, “água” pois meu filho tem sede, “carro” pois se trata de um menino, “au-au” porque conhecemos muitos cachorros, “memê” que é o nome que ele deu para a chupeta, “papai”, porque os homens são unidos, “avião” pois se trata de um carro com asas, “cocóti” porque helicópteros são um carro com uma grande hélice em cima, “look” porque ele quer mostrar as coisas, e finalmente, a grande conquista linguística do rapaz: “não”, pois desde cedo é preciso protestar! Ele também sempre aponta para coisas e diz “no-noc”, mas não tenho a menor ideia do que ele queira dizer. Não, não me enganei. Ele não fala mamãe! Falou umas duas vezes, mas porque estava realmente em perigo, mas não faz parte do vocabulário de repetições dele.

Daí surge um estranhamento: se ele fala todas as palavras em português, o que faz um “look”, em inglês, lá naquela lista?abrir jan bilinguismo_look

Estratégias linguísticas

As estratégias que havíamos determinado para o primeiro filho continuaram valendo para o segundo. Em casa, falamos apenas português. O João fala um português bastante sofisticado para uma criança de 4 anos, usando tempos verbais corretos e fazendo todas as concordâncias. Francisco tem então três modelos linguísticos, contra os dois que eram oferecidos ao irmão.

A televisão, entretanto, fala preferencialmente (e não mais exclusivamente) em inglês. O primeiro filho não tinha muita chance de mudar o canal ou idioma do programa, porém hoje ele às vezes quer assistir desenhos em francês com o amigo, e o segundo acaba assistindo junto. A vida fora de casa acontece em francês, as compras, amigos no parquinho, a creche, os colegas de escola do João.

Mas a Suíça é um país cheio de surpresas linguísticas, e de repente ficamos cercados de amigos que falam inglês. A vizinha iraniana que foi adotada como avó fala com os meninos sempre em inglês, um amiguinho da escola com quem o João fala inglês e cuja família ficou amiga, outra vizinha inglesa teve uma bebê que virou queridinha aqui em casa (João adora ensinar a bebê de 8 meses a falar, e fala com ela em inglês: “look, Julie, a car!”). Acredito que, embora a televisão tenha perdido a “exclusividade do inglês”, a exposição das crianças a esse idioma aumentou. E acredito que daí tenha vindo o “look”.

Persistência é a chave

Nem sempre nossos planos funcionam. Algumas vezes o ritmo de vida – que muda drasticamente ao ter filhos – não deixa lugar para a realização desses planos. O importante é traçar uma meta e estabelecer um plano, que pode ser um plano simples, e não desistir! Mesmo que a criança se recuse a falar neste ou naquele idioma, tenha a certeza de que ela está aprendendo. A criança compreende o idioma e, quando (e se) sentir necessidade, vai resgatar o que aprendeu.

Não importa se são apenas 15 minutos diários, a leitura de um livro no idioma materno antes de dormir, aquelas duas horinhas por semana de curso de português ou assistir junto aquele DVD que a avó deu de presente.  Todo esforço é recompensado. Mesmo que alguns filhos ainda não falem “mamãe”.abrir jan bilinguismo_ mamae

Anúncios

Publicado em 23/01/2014, em Bilinguismo. Adicione o link aos favoritos. 3 Comentários.

  1. Malu Mancinelli, adorei o texto!!! Muito bom e divertido!!!
    Sempre penso que a teoria é muito diferente da prática (eu já havia estudado muito a respeito de bilinguismo, etc, quando fui ser mãe e constatei que o dia a dia nem sempre está previsto e explicado nos livros), e o ideal é quando as duas vão unidas, com muita perseverança e amor!
    Aqui em casa aconteceu de modo muito semelhante! Moramos em Barcelona, onde se fala Catalão e Espanhol. Em casa falamos português, pois meu marido também é brasileiro. Meu filho mais velho hj tem 6 anos, e a pequena 2 anos e 10 meses.
    A Júlia nasceu num ambiente com muito mais estímulos linguísticos que o Artur, mas como teve um probleminha de saúde e teve que ser operada, começou a falar um poquinho tarde. E a 1a palavra que falou foi o nome do irmão (eles se amam!!!). Depois, olá, água, “mira” (em outro idioma, como o “look”, acho que é porque usam muito essa palavra também fora de casa, com qualquer pessoa), etc. Ela também falu “pa-pá”, antes de “ma-má” (ingratidão…). Mas depois, em seguida, aprendeu “mamãe”, numa pronúncia perfeita! Hoje em dia, ela adora brincar de “papéis/personagens”, e às vezes me diz que eu sou a mamá, outras que sou a mamãe. Ainda não consegui a diferença…
    Coordeno uma iniciativa que trabalha a preservação da cultura brasileira e da língua portuguesa entre as crianças aqui em Barcelona (Ponto de Memória Projeto Brasileirinhos). Na nossa fã-page facebook tem os artigos mensais que escrevo e muitas informações sobre brasileirinhos, multilinguismo e multiculturalidade: http://www.facebook.com/ProjetoBrasileirinhos
    Vou divulgar o texto lá também! Bjs.

  2. Marcos Petti

    que legal a descrição dessa experiência, Malu. Um grande beijo e saudades !!

  3. Sou brasileiro minha esposa mexicana meu filho nascido nos EUA. Apesar do meu filho ter apenas 5 meses minha esposa e eu decidimos que iremos falar apenas nossas lindas maternas para ele, observacao que entre nos falamos portugues-espanhol e vice-versa pq entendemos as duas linguas, o ingles vai aprender na escola de toda forma e mas a Tv que assistimos em ingles. Como cuido dele pelas manhas falo somente em portugues, minha esposa chega pela tarde e fala espanhol com ele e vou para o trabalho a noite. Queremos aprender com outros pais de familias trilingues como educam seus filhos para tirarmos aquilo de melhor e aplicarmos na nossa casa. Novas experiencias e sugestoes por favor postem aqui.
    Continue postando o desenvolvimente do seus filhos, e gostaria de saber se eles leem nas tres linguas tambem.

Comentário:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s