Arquivo mensal: dezembro 2014

Então é Natal!

por Malu Mancinelli

NoelNão importa se você chama o bom velhinho de Papai Noel, Pai Natal, Père Noel, Saint Nicholas ou Santa Claus. O importante é que o Natal nos oferece alguns motivos extras para praticar o segundo idioma, o idioma minoritário, o idioma dos avós e do resto da família.

Se o seu filho frequenta uma escola e casa de amigos que utilizam um idioma diferente do seu, é bem provável que a conversa de férias e Natal tenha acontecido usando esse idioma. Por aqui, o Père Noel virou assunto diário, apareceu em músicas de Natal, na lista de presentes, e até cartinha em francês ele recebeu (porque os funcionários dos correios aqui na Suíça respondem as cartinhas enviadas ao Papai Noel, individualmente, e toda criança merece ter uma resposta do Polo Norte!).

No entanto, me senti na obrigação de remexer a memória – e a Internet – para resgatar cantigas de Natal da minha infância, em português. Ler contos de Natal, explicar o que é um presépio, quem são os personagens desse presépio, assistir desenhos com tema natalino, cantar músicas, aprender o nome das renas em português são coisas relativamente simples e que agregam vocabulário e sentimento. Nas conversas via Skype com os primos, tios e avós, não houve nenhuma falha de comunicação, e a comunicação com o Papai Noel se deu também em português, para que não houvesse dúvida quanto ao presente escolhido.

Se as tradições mudam de um país para o outro, vivenciar o Natal em dois idiomas ajuda a construir o pertencimento a diferentes culturas. Aqui na Suiça, toda criança tem um “calendário do Advento”, e todas as manhãs elas recebem um pequeno presente (ou uma bala ou um chocolate), do dia 1º. ao dia 24 de dezembro. No dia 25 de manhã chega o presente de verdade, colocado debaixo da árvore de Natal. Fizemos assim aqui em casa, mas eu expliquei que no Brasil, as crianças só ganham os presentes no dia 24, à meia-noite.

Toda festividade é carregada de tradição, e cada uma oferece inúmeras oportunidades para que nossos filhos se sintam à vontade transitando entre dois idiomas e duas culturas. Agora precisamos carregar as baterias para receber o novo ano que se inicia. Sem queima de fogos na praia, sem pular sete ondas à meia-noite, mas resgatando as pequenas tradições brasileiras possíveis: vestir branco, comer lentilha, doze uvas, sete sementes de romã. Apesar da temperatura gelada e da paisagem de neve por aqui, conversar com as crianças sobre essas diferenças, em português, é um modo de fazer a criança se sentir um pouquinho mais brasileira.

Feliz Ano Novo!

Curso de Formação de Educadores de Português como Língua de Herança na Alemanha

por Andréa Menescal Heath e Camila de Lira Santos

Elo Europeu

Elo Europeu de Educadores de Português como Língua de Herança  realizou seu primeiro curso de Formação de Educadores de Português como Língua de Herança em Munique, Alemanha, nos dias 18 e 19 de outubro de 2014. Leia sobre os detalhes desse curso abaixo.

Objetivo do curso

Com 21 participantes, o curso teve como objetivo reunir profissionais de diferentes iniciativas brasileiras na Europa para apresentar e debater sobre seis temas: (1) cultura e língua(2) políticas linguísticas, (3) bilinguismo e família, (4) alfabetização, (5) material didático e, (6) perspectivas do Elo Europeu.

Tema 1: Cultura e Língua
A Dra Ana Souza, diretora da Abrir, ressaltou a importância da identidade de um povo e sua ligação ABRIR-Logo-Colourcom as línguas que ele fala. O grande desafio no ensino de POLH é fazer com que este entendimento se propague e se consolide. É necessário discutir os conceitos de identidade, língua e cultura com os professores de POLH, assim como com as próprias crianças e adolescentes. Identidade é um sentimento de pertencimento. Assim, é preciso dar liberdade aos alunos de POLH para que escolham e definam o que são. É importante ressaltar também que uma das características de identidade é sua multiplicidade. Dessa maneira, diferentes  culturas e línguas podem co-existir.

O entendimento desse caráter implica na forma como POLH é ensinado, principalmente em relação às expectativas que professores e famílias têm quanto ao uso de diferentes línguas dentro de sala de aula.

Tema 2: Políticas Linguísticas

APBC

APBC

Andreia Moroni (Associação Pais de Brasileirinhos na Catalunha – APBC), doutoranda em Campinas e Barcelona, iniciou o tema com uma reflexão sobre o que é política e sobre a importância de se construir uma política linguística que promova a língua de herança. Para a palestrante, é necessário que famílias comecem a se organizar e a pensar em políticas linguísticas que abrajam não só o seu núcleo familiar, mas que possam unir uma comunidade minoritária em prol da língua. Dessa forma, a promoção de eventos e cursos, por exemplo, deixa de ser somente tarefa do governo, mas passa a ser responsabilidade da comunidade também. Para finalizar o tema, a formadora apresentou a associação da qual é co-fundadora em Barcelona.

Tema 3: Bilinguismo e Família
LinguarteNo tema Bilinguismo e Família, Camila Lira (Linguarte e.V)  e Andréa Menescal (Mala de Leitura de Munique)  apresentaram os diferentes tipos de famílias bilíngues que podem existir e como elas e professores de POLH lidam com temas relacionados ao bilinguismo e, em especial, com suas dúvidas. As palestrantes salientaram que “o estímulo (input) em português deve ser de grande valor qualitativo e quantitativo”.mala de leitura

Tema 4: Alfabetização
Martine Scherer, coordenadora da Associação Raízes para a Língua e a Cultura Brasileira, apresentou o tema alfabetização e abordou questões importantes como: a partir de quando se deve alfabetizar na segunda língua, como se deve lidar com os erros e quais estratégias de ensino usar em sala de aula. Para responder a essas questões, a palestrante começou explicando que não

Raizesexistem duas alfabetizações, mas apenas uma, principalmente quando o alfabeto das línguas faladas pelas crianças é idêntico. Dessa forma, a palestrante ressaltou que o importante é dar aos alunos a oportunidade de entrar em contato com a escrita e a leitura em diferentes línguas, comparando-as, encontrando suas semelhanças e diferenças.    Leia o resto deste post

Consulado-Geral do Brasil em Londres recebe representantes de Educação

A Embaixadora Maria Winkler, Cônsul-Geral do Brasil em Londres, convidou através da Abrir todas as organizações educacionais para um encontro no dia 4 de dezembro de 2014.

Embaixadora Maria Winkler

Embaixadora Maria Winkler

 Projeto 1 – Embaixadora visitará as escolinhas brasileiras

A Embaixadora Maria Winkler  expressou interesse em conhecer melhor o trabalho das escolinhas brasileiras no Reino Unido.  Assim, uma série de visitas estão sendo programadas como parte de um projeto educativo desenvolvido em parceira com os coordenadores e professores das escolinhas.

Junte-se a nós para conhecer essa programação!

Projeto 2 – Alunos serão recebidos no Consulado

Os alunos das escolinhas brasileiras  no Reino Unido foram convidados a visitarem o Consulado-Geral do Brasil em Londres em dias especiais. O intuito dessas visitas é criar mais um contexto social onde as crianças que crescem no exterior possam usar a Língua Portuguesa naturalmente e desenvolver ligações identitárias com o Brasil. Nada melhor do que conhecer esse orgão do governo brasileiro que é de grande importância para os brasileiros imigrantes!

Contate-nos caso queira que seus alunos participem dessas visitas!

Representantes da escolas

Representantes da escolas

Para levar esses projetos para sua escola 

Envie um email para ana@abrir.org.uk para receber orientação sobre como participar desses projetos.

Agradecimentos

A Abrir  agradece o convite feito pela Embaixadora Maria Winkler e a presença neste primeiro encontro de representantes do Clube dos Brasileirinhos , da Comunidade Evangelica Internacional Zona Sul (CEIZS), da EBeCC (Escolinha do Brasil e Centro Cultural) e da EBEL (Escola do Brasil em Londres).

Festa da ABRIR prestigia escolinhas brasileiras

Foto: Luca Ponzetti

Foto: Luca Ponzetti

O dia 23 de novembro de 2014 amanheceu escuro e com muita chuva em Londres. Nada impediu, porém, que a festa de fim de ano da ABRIR fosse um sucesso. Mais de 200 pessoas – incluindo pais, professores, alunos, voluntários e o público em geral- encheram o salão da Baden-Powell House. Foram três horas de uma tarde cheia de atrações, brincadeiras e quitutes brasileiros.

Festa-Abrir_0079-300x200

Ana Souza

A festa começou com uma apresentação da Ana Souza, diretora da ABRIR, que falou sobre o trabalho e as mais novas conquistas da associação. Se você perdeu esta apresentação, pode vê-la através deste video: é so clicar aqui.

Clube dos Brasileirinhos apresentou a peça “A turma do Sítio do Pica-Pau Amarelo”, em cujo enredo a Cuca é convidada para participar de um encontro de lendas em uma floresta em Londres.

Sylvia Roesch (Foto: Luca Ponzetti)

Sylvia Roesch (Foto: Luca Ponzetti)

A Infância Missionária Meu Pequeno Jesus  apresentou uma peça adaptada do livro da escritora Sylvia Roesch, ” Vi um Bicho Genial, Lá no Fundo do Quintal“. Um história em que a minhoca vira assunto entre alunos e professora numa sala de aula.

Os alunos da EBEL (Escola Brasileira em Londres) cantaram e nos encantaram com a música “Alecrim e Outras Canções”, de Rubinho do Vale.

Os presentes também participaram de sorteios de 9 prêmios. Foram eles:

Foto: Luca Ponzetti

Foto: Luca Ponzetti

Ane Doces

Ane Doces

Além disso, a criançada se divertiu com brincadeiras organizadas e confeccionadas pela nossa equipe. Foi também possível matar a saudade de quitutes brasileiros no estande da Abrir e desfrutar dos deliciosos doces da Ane Doces (07565 632 437).

 

 Enfim, a festa foi ótima !

Aproveitamos para agradecer aos nossos patrocinadores: a Casa BrasilCurso Extra Language,Brazilian GourmetMade in Brasil e Andre&Adam Hair Studio. Agradecemos também o apoio da  Casa do Brasil em Londres, da Baden-Powell House, da Juxapo Creative Design e do fotógrafo Luca Ponzetti.

Agradecimentos especiais vão para a revista Leros, a Culturart e o jornal Brazilian News por terem feito uma divulgação gratuita da nossa festa na mídia brasileira em Londres

A equipe da ABRIR deseja a todos um ótimo final de ano.

Foto: Luca Ponzetti

Foto: Luca Ponzetti